Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Islândia terá 1ª greve de 24h de mulheres em quase 50 anos

Paralisação tem como objetivo combater a violência de gênero

ROMA, 23 outubro 2023, 13:03

Redação ANSA

ANSACheck

Greve terá a participação da primeira-ministra da Islândia, Katrín Jakobsdóttir © ANSA/EPA

(ANSA) - Milhares de mulheres e pessoas não binárias organizarão na próxima terça-feira (24) um protesto contra as disparidades salariais e a violência de gênero na Islândia.

A paralisação, que está prevista para durar 24 horas, também contará com a participação da primeira-ministra do país, Katrín Jakobsdóttir. Essa será a primeira greve feminina de 24 horas de duração na Islândia em quase 50 anos.

Entre as pessoas que participarão do movimento estão trabalhadoras da indústria pesqueira, professoras e enfermeiras.

A última greve feminina que durou um dia inteiro na Islândia ocorreu em 1975, quando 90% das islandesas se recusaram a trabalhar em meio ao "kvennafrí" (dia de folga das mulheres), levando a mudanças cruciais, incluindo a primeira mulher eleita presidente de uma nação no mundo.

Embora a Islândia seja considerada uma grande líder global em igualdade de gênero, estudos locais apontam que as mulheres ganham 21% menos que os homens, e mais de 40% já sofreram alguma discriminação.

"Falam-se da Islândia como se fosse um paraíso da igualdade, mas um paraíso não deveria ter uma disparidade salarial de 21% e 40% de mulheres vítimas de violência de gênero durante sua vida. Não é isso que as mulheres em todo o mundo estão buscando", explicou Freyja Steingrímsdóttir, uma das organizadoras da paralisação.

O movimento vem sendo planejado por cerca de 40 organizações diferentes e deverá contar com a participação de pelo menos 25 mil pessoas somente em Reykjavík.
   

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use

Último momento

404 Not Found

404 Not Found


nginx