'Se Putin quer paz na Ucrânia, basta retirar tropas', diz Meloni

Líderes participaram da cúpula do G20 por videoconferência

Meloni foi à Alemanha e se reuniu com Olaf Scholz (foto: ANSA)
Meloni foi à Alemanha e se reuniu com Olaf Scholz (foto: ANSA)

(ANSA) - Em sua participação na cúpula do G20 por videoconferência nesta quarta-feira (22), a premiê da Itália, Giorgia Meloni, afirmou que a Rússia poderia acabar com o conflito a qualquer momento.

"A Rússia poderia facilmente retomar a paz na Ucrânia retirando-se dos territórios ilegalmente ocupados e restabelecendo a soberania e a plena integridade territorial da Ucrânia", declarou.

Segundo fontes do governo italiano, a primeira-ministra expressou novamente sua condenação às ações de Moscou, considerando também suas consequências globais e os danos provocados às nações mais pobres.

Em declarações conjuntas com Scholz às margens da cúpula, a líder italiana disse: "Acredito que Putin participou do G20 porque era fácil fazê-lo por videoconferência sem sair de Moscou. Para ele foi uma oportunidade de visibilidade política, não digo para fazer propaganda, mas para defender suas posições".

"Acerca do fato de que, como disse Putin, a Rússia quer trabalhar pela paz, fico feliz, mas se quer a paz bastaria retirar as tropas. Não é preciso esquecer que há um agressor e um agredido", concluiu.

Ela também manifestou firme condenação ao Hamas pelo ataque terrorista contra Israel do último dia 7 de outubro, apoio ao direito de autodefesa de Israel e forte convicção de que a solução do conflito só ocorrerá pela solução de dois Estados.

Meloni, que participou diretamente de Berlim, ao lado do chanceler alemão, Olaf Scholz, também destacou os temas do clima, transição energética e África.

"A Itália se candidata a se tornar uma ponte com a Europa para promover parcerias reciprocamente vantajosas, apoiando a segurança energética das nações africanas e mediterrâneas e as exportações de energia verde para o resto do Velho Continente", afirmou. (ANSA).