/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Após caso Ferragni, Meloni pede mais transparência na caridade

Em coletiva premiê comentou investigação de má prática comercial

ROMA, 04 janeiro 2024, 14:14

Redação ANSA

ANSACheck

Meloni falou em coletiva de imprensa - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

(ANSA) - Em sua tradicional coletiva de imprensa de fim de ano, a primeira-ministra da Itália, Giorgia Meloni, questionada sobre o escândalo envolvendo a mega influenciadora Chiara Ferragni, pediu mais “transparência na caridade”.

Ferragni foi multada em um milhão de euros e é investigada pelo caso de promoção de um pandoro para a caridade, cuja publicidade indicava que os recursos arrecadados com a venda seriam repassados a um hospital, quando na realidade a empresa fez uma doação única antes das vendas.

“Existe uma questão de transparência na beneficência sobre a qual talvez se deva trabalhar para que o caso isolado não impacte na caridade: entender quais são hoje as regras de transparência e possivelmente imaginar melhores poderia ser útil para todos”, comentou.

A premiê também comentou a própria declaração no evento “Atreju”, organizado anualmente pela ala jovem da legenda de direita Irmãos da Itália (FdI), quando disse que “tem mais valor quem produz um pandoro que quem assina a ‘grife’”.

“Fiquei muito chocada com a reação descomposta da esquerda. Uma coisa banal que tem a ver até com o mundo operário. Eles ficaram ofendidos, sustentando que eu ataquei Ferragni, parecia que eu tinha atacado Che Guevara. Eu não tinha vontade de atacar ninguém. Coloquei uma questão de valor sobre quem faz a excelência italiana”, concluiu.

 
   

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Ou use