/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Lula fala em pacto entre Bolsonaro e polícia por atos golpistas

Ato em memória do ataque de 8/1 ocorrerá na segunda-feira

(ANSA) - BRASILIA, 05 janeiro 2024, 17:52

Redação ANSA

ANSACheck

Bolsonaro testemunhou sobre tentativa de golpe © ANSA/EPA

(ANSA) - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou hoje (5) que houve um "pacto" entre o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), as polícias do Exército e Militar, e o governador de Brasília, Ibaneis Rocha (MDB), durante os ataques ocorridos em dezembro de 2022 que antecederam os ataques golpistas de 8 de janeiro de 2023.

Em 12 de dezembro de 2022, dia em que Lula foi diplomado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) como presidente eleito, veículos foram incendiados e a sede da PF na região central da capital federal foi atacada.

"Houve aquela atuação canalha quando incendiaram ônibus, carros, e a polícia acompanhava sem fazer nada. Havia, na verdade, um pacto entre o ex-presidente (Bolsonaro), o governador de Brasília (Rocha) e a polícia, tanto do Exército quanto do DF. Ou seja, aquilo não poderia acontecer se o Estado não quisesse que acontecesse", afirmou Lula, em entrevista ao jornal O Globo.

Lula assumiu a presidência em 1º de janeiro de 2023 e poucos dias depois viajou para São Paulo. O então recém-empossado mandatário estava no interior paulista em 8 de janeiro de 2023, quando milhares de ativistas bolsonaristas invadiram os palácios do Planalto, Congresso e Supremo Tribunal Federal (STF).

Na próxima segunda-feira (9), Lula falará em uma cerimônia para lembrar os ataques golpistas.

"Em janeiro de 2023, antes de viajar para São Paulo, conversei com o ministro (da Defesa) José Múcio, e ele disse que estava tranquilo, que as pessoas iriam sair do acampamento em frente ao quartel-general do Exército em Brasília. Viajei tranquilo. Não me passava pela cabeça que eu seria pego de surpresa com aquela manifestação (domingo, 8 de janeiro de 2023)", lembrou Lula.

"Mas depois tive informações de que, no sábado (7 de janeiro de 2023), começou a chegar gente em ônibus nos acampamentos. Não imaginei que pudessem chegar à invasão dos palácios públicos", acrescentou.
   

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use