Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Sicília priorizará contratação de mulheres vítimas de violência

Iniciativa também vai beneficiar filhos de vítimas de feminicídio

PALERMO, 09 janeiro 2024, 13:22

Redação ANSA

ANSACheck

Protesto contra feminicídio em Roma - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

(ANSA) - A região da Sicília, no sul da Itália, anunciou nesta terça-feira (9) que mulheres desfiguradas em casos de violência doméstica e filhos de vítimas de feminicídio serão priorizadas na contratação para cargos na administração pública.

A decisão, tomada pela Assembleia Regional da Sicília, prevê a contratação por chamada direta e é um acréscimo à legislação que já proporciona este benefício para as vítimas da máfia italiana.

Desta forma, as mulheres poderão ser contratadas para trabalhar em instituições do governo, da prefeitura local, empresas de saúde e organismos ou institutos tutelados por eles.

"A presente proposta surge da necessidade de trabalhar tanto o fator cultural como a chamada percepção do problema da violência contra a mulher, dado o aumento contínuo de vítimas de feminicídio no território regional", diz o relatório técnico sobre a norma.

De acordo com a medida, "este é um primeiro passo útil para empregar mulheres vítimas de violência, com danos permanentes e visíveis, mas também filhos órfãos causados pelo feminicídio".

Até 3 de dezembro, pelo menos 109 mulheres foram assassinadas em território italiano ao longo de 2023, das quais 90 no âmbito familiar ou de relacionamento, e 58 por seus parceiros sentimentais ou ex-parceiros. O aumento no número de casos fez o Instituto da Enciclopédia Italiana selecionar "feminicídio" como a palavra do ano de 2023 no país.
   

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Ou use

Último momento

404 Not Found

404 Not Found


nginx