/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Oposição venezuelana faz apelo global por eleições livres

Suprema Corte do país tornou principal opositora inelegível

CARACAS, 28 janeiro 2024, 12:25

Redação ANSA

ANSACheck

Maria Corina Machado venceu prévias no país © ANSA/EPA

(ANSA) - A oposição venezuelana apelou à comunidade internacional para ativar os "canais diplomáticos" e exercer pressão sobre as autoridades do país, buscando a anulação da sentença da Suprema Corte do país que excluiu a vencedora das primárias, María Corina Machado, das próximas eleições presidenciais.

Em uma coletiva de imprensa, o porta-voz da Plataforma Unitária Democrática (PUD), Gerardo Blyde, solicitou especialmente a intervenção dos presidentes da França, Emmanuel Macron; Colômbia, Gustavo Petro; Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva; e representantes da União Europeia (UE), que "já manifestaram interesse em alcançar uma solução democrática" para a situação política na Venezuela.

As oposições denunciam a violação parcial dos acordos assinados em Barbados pelo presidente Nicolás Maduro, nos quais o governo se comprometeu a convocar eleições transparentes.

"O julgamento sumário pelo qual o Supremo Tribunal excluiu os candidatos do processo eleitoral viola os acordos que preveem a realização de consultas livres, com a presença de representantes de todas as camadas da sociedade. Exigimos que a outra parte respeite o acordo na íntegra e não parcialmente", disse Blyde.

Anteriormente, a PUD havia solicitado formalmente à Noruega, país facilitador dos acordos, que atuasse como garantidor para a criação de uma comissão de monitoramento e verificação para avaliar o estado dos acordos assinados em outubro passado.

Neste domingo (28) o governo argentino disse acompanhar "com preocupação" os desenvolvimentos da situação política no país.

"A Argentina reafirma seu compromisso na defesa da liberdade, democracia e direitos humanos e espera o rápido desenvolvimento de eleições presidenciais democráticas e transparentes, com a participação plena de todos os candidatos políticos e com a presença de observadores eleitorais externos", informou o Ministério das Relações Exteriores em um comunicado.
   

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use