Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Foto invertida de Meloni causa controvérsia política na Itália

Referência a Benito Mussolini foi publicada por diretor de museu

OSTUNI, 14 fevereiro 2024, 14:18

Redação ANSA

ANSACheck

Foto foi publicada por diretor de museu - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

(ANSA) - O presidente do museu de Ostuni, na província de Brindisi, na Itália, causou uma controvérsia política ao publicar nas redes sociais uma foto da primeira-ministra do país, Giorgia Meloni, de cabeça para baixo.

A imagem é uma referência à exposição do cadáver do ditador italiano Benito Mussolini, pendurado de cabeça para baixo em uma viga de metal em Milão em 1945.

Antes de renunciar e em meio a uma onda de pedidos de remoção dele da instituição, Luca Dell’Atti pediu desculpas: “Ofereço minhas desculpas humanas, sinceras e sentidas pela imagem de mau gosto que, imprudentemente, publiquei no Instagram. Fiz isso no calor de uma crítica (pouco atenta nos modos) às posições assumidas pela primeira-ministra”.

“Minha família, minha história política, minha profissão, minhas amizades demonstram minha total distância de modos e mensagens violentas de qualquer tipo. Em termos mais claros: por meus valores e sensibilidade, nem mesmo posso conceber desejar a morte de alguém”, acrescentou, se desculpando também com o museu e a prefeitura.

Apesar disso, ele afirmou que a “dimensão midiática” foi desproporcional ao gesto. Ao se demitir, ele se disse perseguido e afirmou querer proteger sua “serenidade”.

O ministro da Cultura, Gennaro Sangiuliano, interveio dizendo que quem "preside um museu tem o dever para com a comunidade de não expressar de forma alguma opiniões ofensivas e de respeitar as instituições".

O prefeito de Ostuni, Angelo Pomes, agradeceu pela tomada de responsabilidade de Dell’Atti: “Espero que isso seja suficiente para encerrar este desagradável incidente, restabelecendo um clima político mais sereno, em respeito às instituições, mas também em relação ao próprio Dell'Atti, que desde o início pediu desculpas e qualidades humanas, culturais e profissionais são reconhecidas”.


   

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use

Último momento

404 Not Found

404 Not Found


nginx