/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Bolsonaro critica 'abusos', mas diz buscar 'pacificação'

Ex-presidente, no entanto, afirmou ser alvo de 'perseguição'

SÃO PAULO, 25 fevereiro 2024, 17:09

Redação ANSA

ANSACheck

Manifestação em apoio a Bolsonaro na Avenida Paulista © ANSA/EPA

(ANSA) - O ex-presidente Jair Bolsonaro disse neste domingo (25), durante manifestação na Avenida Paulista, em São Paulo, que as eleições de 2022 são "página virada na nossa história" e que é preciso "passar uma borracha no passado", mas reiterou que ele é alvo de "perseguição".

"É joia, importunação de baleia, dinheiro que teria mandado para fora. A última agora: 'Bolsonaro queria dar um golpe'. O que é golpe? Tanque na rua, arma, conspiração, trazer classes políticas e empresariais. Nada disso foi feito no Brasil", afirmou o ex-mandatário para uma multidão de apoiadores e vestindo colete à prova de balas.

No trio elétrico, Bolsonaro exibia a seu lado diversos expoentes de seu campo político, como os governadores Tarcísio de Freitas (São Paulo), Romeu Zema (Minas Gerais), Ronaldo Caiado (Goiás) e Jorginho Mello (Santa Catarina), além do pastor evangélico Silas Malafaia.

Durante o discurso, o ex-presidente destacou que teria "muito a falar" sobre as suspeitas de golpismo, mas que busca "a pacificação" e "passar uma borracha no passado".

Além disso, defendeu "anistia para os pobres coitados presos em Brasília", em referência aos condenados pelos atos golpistas de 8 de janeiro, e cobrou parlamentares a livrá-los da cadeia.

"Pedimos aos deputados e senadores um projeto de anistia para que seja feita justiça em nosso Brasil. Essas penas fogem ao mínimo da razoabilidade", declarou.

O ex-presidente, investigado pela Justiça em uma série de escândalos, também lamentou "o abuso por parte de alguns" e disse que o Brasil "não merece estar vivendo este momento onde tão poucos causam tantos males a todos nós".

"Mas nós ainda podemos fazer muito pela nossa pátria. A liberdade é um bem maior,", acrescentou Bolsonaro, que encerrou o discurso com seu tradicional slogan de campanha: "Brasil acima de tudo, Deus acima de todos", entoado em uníssono pela multidão.

Os militantes reagiram de forma comedida e comportada ao pronunciamento do ex-capitão do Exército e respeitaram o pedido de não levar faixas contra o Supremo Tribunal Federal (STF) ou o presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Conforme constatado pela ANSA no local, os manifestantes também evitaram entoar coros de caráter antidemocrático, ao contrário do que havia ocorrido nas concentrações diante de quartéis após as eleições de 2022.

Por outro lado, o protesto registrou uma grande presença de bandeiras de Israel, movimento impulsionado pelas falas recentes de Lula, que comparou a guerra em Gaza com o Holocausto.

O tema Israel é especialmente caro ao eleitorado evangélico neopentecostal, uma das principais bases de apoio de Bolsonaro, cuja esposa, Michelle, fez um discurso marcado por referências religiosas.

"Não tem como não se emocionar tendo o exército de Deus nas ruas, tendo o exército de homens e mulheres patriotas que não desistem de sua nação", afirmou a ex-primeira-dama, ela própria neopentecostal. "E agora chegou a hora da libertação", garantiu. (ANSA) 

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use