Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Itália vai subsidiar tratamentos de reprodução assistida

País luta contra queda crônica na taxa de natalidade

ROMA, 15 setembro 2023, 12:06

Redação ANSA

ANSACheck

Laboratório de reprodução assistida na Itália - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

(ANSA) - Em luta contra uma crônica queda na taxa de natalidade, o governo da Itália anunciou que vai subsidiar tratamentos de reprodução assistida a partir de 2024.

O sistema de saúde no país é majoritariamente público e gratuito, mas algumas consultas e exames especializados, sem caráter emergencial, funcionam por meio de "tickets", uma espécie de coparticipação paga pelo paciente em cada serviço utilizado.

Segundo a Sociedade Italiana de Ginecologia e Obstetrícia (Sigo), os tratamentos de reprodução assistida na rede pública sofrem com longas filas de espera, e muitos casais preferem procurar clínicas privadas, onde os preços variam de 3,5 mil a 7 mil euros (de R$ 18 mil a R$ 36 mil) para procedimentos com gametas próprios e de 5 mil a 9 mil euros (de R$ 26 a R$ 47 mil) com a utilização de doadores.

No entanto, um decreto aprovado recentemente pelo governo incluiu a reprodução assistida no sistema de coparticipação em âmbito nacional, o que facilitará o acesso aos tratamentos. "A partir de 2024, qualquer mulher, em qualquer região, poderá recorrer à reprodução assistida mediante o pagamento de um ticket. Finalmente colocamos fim a uma injustiça que não era mais tolerável", disse o ministro da Saúde, Orazio Schillaci, durante um congresso sobre natalidade em Roma.

De acordo com ele, os casais não pagarão nada por tratamentos com gametas próprios, enquanto o ticket para procedimentos com doação de oócitos ou esperma será determinado por cada região, mas deve girar por volta de 1,5 mil euros (R$ 8 mil).

"Escolhemos o caminho certo para apoiar as mulheres que, diante de dificuldades na concepção, escolhem a reprodução assistida", acrescentou Schillaci.  Após uma queda no primeiro ano da pandemia de Covid-19, os ciclos realizados no país registraram aumento de 36% em 2021, com alta de 50% nas gestações e de 49% nos nascimentos.

Na Itália, no entanto, a reprodução assistida é exclusiva para casais heteroafetivos, inférteis e que vivem em matrimônio ou união estável, além de casais férteis com doenças transmissíveis. Solteiros e casais homoafetivos não podem recorrer à fertilização in vitro.

Na última quinta-feira (14), a premiê Giorgia Meloni disse que o combate ao inverno demográfico é "prioridade absoluta" de seu governo. O país registrou apenas 393 mil nascimentos em 2022, menor número de sua história, e estudos apontam que a Itália pode perder até 20% da população nos próximos 50 anos. (ANSA)

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Ou use

Último momento

404 Not Found

404 Not Found


nginx