Trans brasileira agredida recebe apoio em manifestação em Milão

Ativistas pediram que responsáveis por agressões sejam punidos

Ato em Milão recebeu dezenas de pessoas (foto: ANSA)
Ato em Milão recebeu dezenas de pessoas (foto: ANSA)

(ANSA) - A cidade de Milão, na Itália, foi palco neste domingo (28) de uma manifestação em apoio a transexual brasileira que foi agredida por policiais durante uma abordagem na última quarta (24).

Os participantes do ato, muitos deles membros da Associação de Cultura e Ética Transgênero (Acet), ergueram cartazes com as frases "Vidas trans importam" e "Tocou em uma de nós, tocou em todas".

"A forte sensação que nos acompanhou nesses dias foi a de estarmos sozinhos tendo que enfrentar tudo isso", afirmou Guglielmo Giannotta, presidente da Acet.

A ativista Antonia Monopoli, líder do movimento ALA Milano, afirmou que o abuso de poder é "implicitamente encorajado por uma classe política que se nega a defender as pessoas vítimas de discriminação".

"Não queremos desculpas, queremos medidas exemplares. Me preocupa que tanta gente fique do lado dos perpetradores e não da vítima: significa que a podridão é mais profunda do que parece e está enraizada nas instituições", declarou.

O vídeo de um grupo de policias agredindo a trans brasileira com chutes e cassetetes viralizou nas redes sociais italianas. Além das agressões, filmadas por estudantes de uma universidade, os agentes aparecem lançando gás de pimenta na mulher.

Após a gravação rodar o país, um representante dos policias afirmou que a detida estava agressiva e teria tentado dar cabeçadas nos agentes. (ANSA).