Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Hamas solta 17 reféns de Israel no 2º dia de trégua

Tajani definiu como 'positiva' a troca de prisioneiros

ROMA, 25 novembro 2023, 19:38

Redação ANSA

ANSACheck

Grupo, que tem quatro tailandeses, chegou ao lado egípcio da passagem de Rafah a bordo de veículos da Cruz Vermelha - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

(ANSA) - O vice-premiê e ministro das Relações Exteriores da Itália, Antonio Tajani, afirmou neste sábado (25) que uma possível prorrogação da trégua no Oriente Médio é uma "boa notícia".

O político ainda definiu como "positiva" a troca de prisioneiros realizada pelo grupo fundamentalista islâmico Hamas e Israel, no âmbito que deu início a um cessar-fogo de quatro dias.

"Dezenas de caminhões estão entrando com material humanitário para aliviar o sofrimento da população civil e temos boas notícias para a construção de um hospital militar de campanha italiano. Estamos dispostos a fazer tudo o que for necessário para ajudar os feridos", disse Tajani em um evento em Perúgia.

No segundo dia de trégua, um depois da soltura de vários reféns dos dois lados, o serviço penitenciário israelense recebeu uma lista de 42 prisioneiros palestinos, entre mulheres e menores, que deverão ser libertados ainda hoje.

A imprensa internacional diz que pelo menos 14 reféns israelenses poderiam ser liberados hoje, com base no pacto de um prisioneiro para três detidos palestinos.

O conselheiro do chefe do gabinete político do Hamas, Taher al-Nunu, alertou ao Al Jazeera que "há muitas violações do acordo por parte de Israel".

"Se Israel não se comprometer a fornecer ajuda ao norte de Gaza, colocará todo o acordo em risco. Eles também violaram o acordo ao ter soldados abrindo fogo em vários locais, resultando na morte de duas pessoas", relatou.

Em relação ao tema, algumas fontes egípcias relataram que estão em curso negociações para prolongar o cessar-fogo por mais um ou dois dias.

Enquanto isso, a Cruz Vermelha confirmou que o primeiro comboio com ajuda humanitária partiu de Khan Younis, no sul do enclave palestino, em direção ao norte da Faixa de Gaza.

O Cogat, órgão governamental israelense, anunciou que 200 caminhões entraram em Gaza com alimentos, água e suprimentos médicos.

Libertação de reféns

Após um período de incertezas e tensão, o grupo fundamentalista islâmico entregou pelo menos mais 17 reféns, sendo 13 israelenses e quatro estrangeiros.

A notícia da soltura dos prisioneiros foi divulgada pelo Hamas e confirmada por autoridades de Israel e Catar, país que vem servindo como um intermediário do conflito.

O grupo, que tem quatro tailandeses, chegou ao lado egípcio da passagem de Rafah a bordo de veículos da Cruz Vermelha. Com isso, eles vão ser levados até Karem Salem para serem transportados de avião para uma base israelense. 

A situação, que estava envolta por muita incerteza e angústia para os familiares dos reféns, mudou em poucas horas, pois parecia que o acordo de trégua iria desmoronar logo no segundo dia.

Os israelenses deverão iniciar em breve os procedimentos para a libertação de 39 prisioneiros palestinos que são mantidos na prisão de Ofer. 

O Hamas informou que atrasou a libertação porque foi motivado pelo fato de Israel “não ter implementado os elementos do acordo”, acusação totalmente rejeitada por Israel. 
   

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use

Último momento

404 Not Found

404 Not Found


nginx