Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Hamas é pior que Gestapo, diz vice-premiê italiano

Tajani também negou genocídio por parte de Israel em Gaza

ROMA, 15 fevereiro 2024, 08:54

Redação ANSA

ANSACheck

Civis palestinos fogem de Rafah, no sul da Faixa de Gaza © ANSA/EPA

(ANSA) - O vice-premiê e ministro das Relações Exteriores da Itália, Antonio Tajani, afirmou nesta quinta-feira (15) que o grupo fundamentalista islâmico Hamas é pior que as polícias secreta e de Estado da Alemanha nazista.

"O Hamas é uma organização terrorista que realizou uma caça aos judeus em 7 de outubro, praticando atos que ninguém no mundo jamais fez", declarou Tajani em entrevista ao Canale5.

"Eles são piores que a Gestapo e que a SS, é o que tenho a dizer", acrescentou. Além disso, o ministro negou que Israel esteja cometendo um "genocídio" contra palestinos na Faixa de Gaza.

"Genocídio significa uma estratégia para eliminar um povo. Genocídio é o que Hitler fez com os judeus, isso [de Israel] é um ataque militar que está provocando vítimas civis demais, é uma coisa bem diferente", salientou.

Segundo Netanyahu, não existe por parte do governo israelense "a vontade de exterminar um povo".

Os atentados do Hamas em 7 de outubro deixaram 1,2 mil mortos em Israel, cuja reação na Faixa de Gaza já fez mais de 28,5 mil vítimas. (ANSA)

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use

Último momento

404 Not Found

404 Not Found


nginx