Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Biden alerta Netanyahu contra ofensiva em Rafah

Presidente dos EUA pediu 'garantias de segurança' para civis

WASHINGTON, 16 fevereiro 2024, 08:57

Redação ANSA

ANSACheck

Palestinos fogem de Rafah, na Faixa de Gaza, em meio à ameaça de ofensiva israelense © ANSA/EPA

(ANSA) - O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, telefonou ao premiê de Israel, Benjamin Netanyahu, para expressar sua oposição a um ataque em Rafah, no extremo-sul da Faixa de Gaza, sem que haja garantias de segurança para os civis palestinos.

A cidade fica na fronteira com o Egito e hoje abriga mais de 1 milhão de pessoas, já que se tornou o principal destino dos indivíduos que fugiram de outras regiões do enclave, especialmente a Cidade de Gaza, durante a ofensiva israelense.

"O presidente reiterou sua opinião de que uma operação militar não deve acontecer sem um plano crível e executável para garantir segurança e apoio aos civis de Rafah", diz um comunicado da Casa Branca.

Durante o telefonema, Biden também "reafirmou seu compromisso de trabalhar incansavelmente para apoiar a libertação de todos os reféns o quanto antes" e destacou a "urgência de assegurar que a assistência humanitária chegue aos civis palestinos".

Israel ensaia iniciar uma ampla ofensiva contra o Hamas em Rafah e já conseguiu libertar dois reféns na cidade no início da semana.

Enquanto isso, Netanyahu publicou um comunicado em que rejeita os "ditames internacionais a respeito de um acordo permanente com os palestinos", acrescentando que isso só será alcançado "através de negociações diretas entre as partes, sem condições prévias".

"Israel continuará se opondo ao reconhecimento unilateral de um Estado palestino. Tal reconhecimento, na sequência do massacre de 7 de outubro, daria uma enorme recompensa ao terrorismo e impediria qualquer futuro acordo de paz", ressaltou.

Os atentados terroristas de outubro deixaram 1,2 mil mortos em Israel, cuja resposta contra o Hamas na Faixa de Gaza já tirou as vidas de 28,8 mil pessoas, segundo as autoridades locais. Além disso, 234 militares israelenses morreram durante a incursão terrestre no enclave palestino. (ANSA)

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Ou use

Último momento

404 Not Found

404 Not Found


nginx