/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Euro completa 25 anos com 'estabilidade e soberania', diz UE

Euro completa 25 anos com 'estabilidade e soberania', diz UE

Moeda única do bloco começou a ser implementada em 1º de janeiro de 1999

ROMA, 01 janeiro 2024, 13:27

Redação ANSA

ANSACheck

Então recém-eleito presidente italiano Carlo Azeglio Ciampi segura a 1ª moeda italiana de euro (Foto: Reprodução) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

O euro completa 25 anos. A moeda única europeia foi criada em 1º de janeiro de 1999, embora nos primeiros tempos tenha sido apenas uma moeda virtual, usada para fins contábeis e pagamentos eletrônicos.

As moedas e notas foram introduzidas apenas três anos depois, em 1º de janeiro de 2002.

No entanto, os líderes da União Europeia escolhem esta data simbólica para fazer um balanço e, em uma carta aberta publicada nos meios de comunicação dos 20 países que atualmente usam a moeda única, exaltam suas muitas virtudes.

"O euro tornou-se uma parte indispensável de nossa vida cotidiana, proporcionando-nos simplicidade, estabilidade e soberania", escrevem. Mas o trabalho não está concluído, muito pelo contrário.

O Velho Mundo enfrenta agora novos desafios, geopolíticos, econômicos e climáticos, e a resposta deve ser encontrada por meio de uma cooperação cada vez mais estreita e ambiciosa, seguindo o exemplo daqueles que, após a Segunda Guerra Mundial, souberam imaginar novos caminhos, como os que levaram à moeda única.

"A razão de ser da Europa sempre se baseou na resolução de problemas que os países não podiam enfrentar sozinhos", afirmam na carta Charles Michel (presidente do Conselho Europeu), Paschal Donohoe (presidente do Eurogrupo), Christine Lagarde (presidente do Banco Central Europeu), Roberta Metsola (presidente do Parlamento Europeu) e Ursula von der Leyen (presidente do Poder Executivo do bloco).

Começou-se, portanto, com a convergência das economias e, em seguida, em um segundo momento, das moedas, "para aproveitar ao máximo os benefícios econômicos criados por esse dividendo da paz".

Certamente, uma escolha tão forte, originada das decisões tomadas em Maastricht em 1991, não foi isenta de fases complicadas, incluindo dúvidas sobre o próprio futuro do euro, como durante a crise da dívida em 2011.

"Mas encontramos as respostas certas todas as vezes, como o sistema harmonizado de supervisão e resolução de crises bancárias ou o Mecanismo Europeu de Estabilidade (MES)", observam ainda.

"E hoje, o apoio à moeda única pelos cidadãos da área do euro está próximo dos níveis recordes. Mas nosso trabalho não está concluído. Porque enfrentamos novos desafios que os países da UE não podem enfrentar sozinhos, e os cidadãos olham para a Europa em busca de respostas". Aqui, a discussão se expande.

A economia não é mais “apenas” um fator interno, onde ainda há trabalho a ser feito, por exemplo, construindo "uma verdadeira união dos mercados de capitais" que abranja o continente para mobilizar financiamentos privados, "uma união bancária mais sólida" e "preparando o terreno para uma potencial moeda digital que possa complementar o dinheiro em espécie".

Os desafios de nosso tempo vão desde a guerra na Ucrânia, que abraça a esfera de segurança e defesa, à “aceleração da crise climática", aos riscos "para nossa competitividade devido às políticas energéticas e industriais de outras partes do mundo". Ou seja, China e EUA.

O euro foi, portanto, um sucesso, mas é necessário fazer mais. "Os cidadãos europeus sabem que o mundo está mudando e sabem que a união faz a força: cerca de dois terços dos europeus acreditam que a UE é um bastião de estabilidade", concluem os líderes da UE.

"Vamos mostrar a eles que a Europa pode moldar essa mudança e atender às suas expectativas", é o apelo que fazem às capitais da área do euro, mas não apenas. Porque no final, serão os Estados que decidirão se continuarão com o experimento ou reduzirão as ambições.

 
   

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use