Economia russa é mais resiliente que o previsto, diz UE

Alto representante para Política Externa cumpriu agenda em Kiev

Josep Borrell visitou Ucrânia (foto: ANSA)
Josep Borrell visitou Ucrânia (foto: ANSA)

(ANSA) - Em visita a Kiev nesta quarta-feira (7) o alto representante da União Europeia para Política Externa, Josep Borrell, disse que a economia da Rússia em meio ao conflito com a Ucrânia é mais resiliente do que se esperava.

“A Rússia está canibalizando seu futuro. Mobilizou a economia inteira para a guerra e tudo isso está tendo um impacto do ponto de vista demográfico. Sua economia, porém, é mais resiliente do que esperávamos: devemos encarar a realidade como ela é”, disse, em discurso ao Parlamento ucraniano.

Ainda sobre isso, ele afirmou que a União Europeia deve se concentrar em evitar o problema da evasão às sanções impostas.

“Muitos no mundo não veem a Rússia como uma potência colonial e julgam este conflito como o Ocidente contra todos. Devemos combater a narrativa russa. A Rússia é o último império colonial da Europa, é um anacronismo. Como disse Putin em sua campanha eleitoral: as fronteiras russas não terminam. Enquanto não resolver esse problema, continuará sendo um regime violento e nacionalista”, afirmou Borrell.

O comissário se reuniu com o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky.

“Honrado por ter sido novamente recebido pelo presidente Zelensky, que pediu mais munições, drones e sistemas de defesa aérea. Mobilizar mais equipamentos militares da UE para a Ucrânia é a minha máxima prioridade. Precisamos fazer mais e mais rapidamente”, escreveu Borrell, no X (antigo Twitter).    (ANSA).