Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Papa Francisco faz apelo contra mensagens de ódio na web

Declaração foi dada a participantes de festival em Verona

CIDADE DO VATICANO, 24 novembro 2023, 08:50

Redação ANSA

ANSACheck

Mensagem de Francisco foi divulgada em evento em Verona © ANSA/ANSA/ALESSANDRO DI MEO

(ANSA) - O papa Francisco fez um apelo nesta sexta-feira (24) para que as pessoas não promovam uma comunicação que incentive a cultura do descarte por meio de mensagens de ódio nas redes sociais.

A declaração foi dada em uma mensagem enviada aos participantes da 13ª edição do Festival da Doutrina Social da Igreja, que acontece em Verona de hoje até 26 de novembro, sob o tema "#soci@lmente livres".

"Que ninguém promova uma comunicação inútil através da difusão de mensagens de ódio e da distorção da realidade online", afirmou o Pontífice.

Segundo ele, "a comunicação atinge sua plenitude na doação total de si mesmo ao outro" e "nesta relação de reciprocidade se desenvolve a teia da liberdade".

Para o argentino, a rede que queremos, "não foi feita para prender, mas para libertar, para valorizar uma comunhão de pessoas livres".

"A própria Igreja é uma rede tecida a partir da comunhão eucarística, onde a união não se baseia em 'likes', mas na verdade, no 'amém', com o qual cada pessoa adere ao Corpo de Cristo, acolhendo ao próximo", explicou.

De acordo com o religioso, "em comparação com a velocidade da informação, que provoca a voracidade relacional, o 'amém' é de fato uma espécie de provocação para ir além da superficialidade cultural para dar plenitude à linguagem, no respeito por cada pessoa".

Francisco ainda fez referência à comunicação de Jesus no Evangelho para dizer que ela "é verdadeira porque é inspirada no amor por quem o escuta, às vezes até distraidamente".

"Jesus está interessado na pessoa inteira, isto é, na pessoa na sua integridade. Jesus, como é evidente, não é um líder solitário. Para chegar a cada um dos presentes pede a colaboração dos discípulos. Também eles devem entrar na sua lógica de envolvimento pessoal. Não há dom evangélico que não inclua também um pouco do próprio doador", ressaltou.

Por fim, o líder da Igreja Católica enfatizou que "esta é a liberdade à qual o discípulo é chamado: a de quem se envolve com inteligência e amor para fazer crescer os outros".

"Aqui está, então, a importância de ser testemunhas de liberdade num mundo de conflitos. Desejo que todos vocês saibam traduzir a hashtag 'soci@lmente', promovendo de forma inteligente ações e iniciativas para o bem comum. Envolvam-se na educação sobre a cultura da doação", finalizou.
   

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use

Último momento

404 Not Found

404 Not Found


nginx