/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Papa volta a pedir orações para quem sofre com guerras

Francisco fez novo apelo durante audiência geral

VATICANO, 15 de maio de 2024, 14:56

Redação ANSA

ANSACheck

Francisco voltou a rezar pela paz definitiva - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

O papa Francisco voltou a pedir orações "por todos os povos que sofrem com a guerra", no final da audiência geral no Vaticano, nesta quarta-feira (15).
    "Rezemos pela paz. Não esqueçamos a atormentada Ucrânia. Não esqueçamos a Palestina, Israel e Myanmar. Rezemos pela paz, rezemos por todos os povos que sofrem com a guerra", declarou o Pontífice, em meio aos aplausos dos fiéis.
    Francisco apelou para que "todos juntos, com grande coração", rezem "pela paz definitiva" e por um mundo "sem guerras", porque "a guerra é sempre uma derrota, sempre".
    Em seguida, o religioso pediu para a comunidade internacional ajudar "imediatamente" as vítimas das inundações no Afeganistão, que deixaram pelo menos 342 mortos e mais de 1.600 feridos e afetaram principalmente o norte do país.
    "Dirijo o meu pensamento ao povo do Afeganistão, duramente afetado pelas trágicas inundações que causaram numerosas perdas de vidas, incluindo crianças, e continuam a causar destruição em muitos casos", afirmou ele aos fiéis na Praça São Pedro.
   

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use