Turismo na Itália tem retomada, mas ainda não supera 2019

Ano de 2023 começa a se aproximar do patamar pré-pandemia

Duomo de Milão é principal ponto turístico da capital financeira italiana (foto: ANSA)
Duomo de Milão é principal ponto turístico da capital financeira italiana (foto: ANSA)

(ANSA) - O setor de turismo da Itália vê 2023 como o ano da retomada nas viagens de lazer e principalmente nas entradas internacionais, mas os números ainda não superaram o patamar de 2019.

Até o momento, houve aumento dos estrangeiros na Itália (3,6%), com um pico para os americanos (17,3%) e consequente papel dos Estados Unidos como motor da retomada.

Em valores absolutos, os turistas em estruturas hoteleiras são cerca de 50,5 milhões, totalizando 207 milhões de diárias.

Os dados foram compilados pelo Observatório BIT, apresentados nesta terça-feira (12).

Em maio de 2023 o saldo de pagamentos turísticos teve superávit de 2,3 bilhões de euros (R$ 12,21 bi), leve aumento em relação ao mesmo mês de 2022.

Em agosto, a Itália teve 43,3% de reservas das estruturas de hospitalidade nas plataformas online, à frente da Espanha (42,8%) e da França (30,6%). (ANSA).