/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Brasil tem 1,7 milhão de indígenas, diz Censo 2022

Número aumentou quase 90% em relação à pesquisa do Ibge de 2010

SÃO PAULO, 07 agosto 2023, 14:07

Redação ANSA

ANSACheck

Número de indígenas quase dobrou entre levantamentos do Censo - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

(ANSA) - O Censo Demográfico 2022 revelou que o Brasil tem cerca de 1,7 milhão de indígenas, número quase 90% maior que os 900 mil registrados no levantamento anterior, de 2010.

Os dados foram divulgados nesta segunda-feira (7) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (Ibge).

No entanto, segundo o órgão federal, não é possível concluir que a população indígena tenha quase dobrado entre os recenseamentos.

Para os pesquisadores, o aumento se deve a mudanças na metodologia da pesquisa, com novos procedimentos de abordagem às lideranças indígenas, aperfeiçoamento do mapeamento de localidades em todo o país e preparação de equipes especializadas.

"Em cada aldeia contamos com o apoio de pelo menos uma liderança indígena. Nossos agradecimentos a todas as lideranças que assumiram o Censo como uma política de estado e como um direito dos povos indígenas de serem recenseados da melhor forma possível", disse Marta Antunes, responsável pelo Projeto de Povos e Comunidades Tradicionais do Ibge.

Segundo o Censo, as regiões Norte e Nordeste concentram mais de 75% da população indígena no país, com mais de 753 mil no Norte (44,5%) e 528 mil no Nordeste (31%).

Além disso, apenas dois estados concentram 42,5% dos indígenas contabilizados: Amazonas, com mais de 490 mil (29%) e Bahia, com mais de 229 mil (13,5%).

O levantamento também registrou que há 689,2 mil pessoas vivendo em terras indígenas e que, nessas áreas, 90% dos moradores são indígenas e 10% não indígenas.

A Terra Indígena Yanomami, com território no Amazonas e em Roraima, é a maior em número de pessoas indígenas, com mais de 27 mil.

O líder indígena Junior Yanomami falou à Agência Brasil sobre as dificuldades de chegada de agentes do Censo a comunidades isoladas na Amazônia, ameaçadas por garimpeiros e madeireiros, e reconheceu a importância da pesquisa para o acesso a políticas públicas: "Queremos viver em paz e ter a proteção real dos povos indígenas e da floresta com segurança, saúde e educação".
   
   

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use