/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Macron alerta que é 'urgente frear desmatamento' na Amazônia

PARIS, 08 agosto 2023, 17:13

Redação ANSA

ANSACheck

Ativistas realizam protesto pelo clima © ANSA/EPA

(ANSA) - O presidente da França, Emmanuel Macron, alertou nesta terça-feira (8) que é preciso urgente frear o desmatamento na Amazônia, porque a floresta é crucial no combate às mudanças climáticas.

"A floresta é absolutamente crucial na luta contra o aquecimento global e contra a perda da biodiversidade. Mas, só em 2022, 4 milhões de hectares desapareceram em florestas tropicais primárias. É [preciso] urgente colocar um fim no desmatamento", escreveu o líder francês no Twitter.

A declaração é dada por ocasião da cúpula dos países da Organização do Tratado de Cooperação Amazônica (Otca), que acontece em Belém, no Pará, hoje e amanhã (9).

Em sua publicação, Macron recorda os inúmeros compromissos já assumidos a nível internacional: desde a COP26 em Glasgow, em 2021, que se comprometeu a parar a desflorestação até 2030, mas também em Montreal, em 2022, com o compromisso de poupar 30% das terras e mares.

O líder francês acrescentou ainda que é preciso "declinar muito concretamente esta ambição", principalmente lutando "contra os flagelos do desflorestamento, da poluição, da procura de ouro ilegal e ao mesmo tempo defender as populações que vivem na floresta e graças à floresta".

Além disso, agradeceu o presidente Luiz Inácio Lula da Silva pela "organização, a partir de hoje em Belém, de uma importante cúpula contra o desmatamento na Amazônia, juntamente com os Estados da região e parceiros particularmente comprometidos, incluindo a França".

"Paris foi, de fato, o motor da decisão histórica da União Europeia de deixar de contribuir para a desflorestação importada", concluiu o chefe do Palácio Eliseu, enfatizando a necessidade de "unir forças para proteger as reservas vitais, o carbono e a biodiversidade, no interesse dos países estrangeiros, das suas populações e do mundo inteiro".
   

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use