/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Neurotransmissor medular ajuda paraplégica a andar na Itália

Paciente ficou em pé e se movimentou com um andador

MILÃO, 31 maio 2023, 11:58

Redação ANSA

ANSACheck

Operação ocorreu no Hospital San Raffaele - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

(ANSA) - Uma mulher paraplégica voltou a andar depois de cinco anos graças a um neuroestimulador medular implantado em um hospital de Milão, na Itália.

A paciente, que não foi identificada, perdeu o movimento das pernas em um acidente esportivo, mas conseguiu voltar a ficar em pé e se movimentar com a ajuda de um andador.

O neuroestimulador foi implantado pela equipe de neurocirurgiões do Hospital San Raffaele, liderada pelo professor Pietro Mortini. A cirurgia durou cerca de três horas e consistiu em um delicado procedimento minimamente invasivo.

"Estamos realizando um protocolo de pesquisa clínica avançada para que esta intervenção possa ser uma solução terapêutica para pacientes com lesão medular", explicou Mortini.

O objetivo dos especialistas é também começar a tratar lesões da medula espinhal causadas por doenças neurodegenerativas, como a esclerose múltipla.

O dispositivo implantado na paciente é composto por um suporte para 32 eletrodos que é inserido na coluna vertebral, além de um gerador de pulsos semelhante aos usados em pacientes com arritmias cardíacas.

Esses impulsos são levados até a medula espinhal e viajam para os nervos e músculos da pessoa. O gerador, inserido sob a pele ao nível do quadril, é programado para garantir a ativação coordenada de todos os músculos envolvidos na movimentação.
   

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use