/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Experimento vai tentar captar ondas gravitacionais na Lua

Projeto foi selecionado pela Agência Espacial Europeia (ESA)

L'AQUILA, 27 junho 2023, 14:04

Redação ANSA

ANSACheck

Humanos devem voltar à Lua em 2025, na missão Artemis 3 © ANSA/EPA

(ANSA) - A Agência Espacial Europeia (ESA) incluiu um projeto para a detecção de ondas gravitacionais em uma restrita lista de experimentos que podem ser realizados na Lua nos próximos anos.

A missão "Soundcheck" é liderada por institutos de pesquisa da Itália e buscará melhorar a compreensão da estrutura interna do satélite natural, explorar o ambiente geofísico em uma região de sombra permanente e obter as primeiras observações de ondas gravitacionais no astro.

Entre as entidades que participam do projeto estão o Instituto de Ciências do Gran Sasso, o Instituto Nacional de Astrofísica e o Instituto Nacional de Física Nuclear, todos eles na Itália.

O "Soundcheck" pretende demonstrar a viabilidade tecnológica da "Lunar Gravitational-Wave Antenna" (LGWA), experimento revolucionário para transformar a Lua em uma enorme antena para detecção de ondas gravitacionais, perturbações no tecido do espaço-tempo provocadas por eventos cósmicos violentos envolvendo corpos superdensos, como buracos negros e estrelas de nêutrons.

Previstas na Teoria da Relatividade Geral de Albert Einstein, as ondas foram detectadas pela primeira vez em 2015, por um observatório nos Estados Unidos, mas a Lua poderia ser mais adequada para esse tipo de trabalho, uma vez que possui algumas das regiões mais tranquilas do nosso Sistema Solar.

Para detectar ondas gravitacionais, os observatórios precisam ser construídos em lugares isolados, altamente estáveis e com pouca interferência humana e sísmica, já que a simples movimentação em uma rodovia, por exemplo, pode atrapalhar as medições.

Atualmente, o projeto LGWA trabalha no desenvolvimento de sensores de vibração de alta precisão para a Lua, um desafio tecnológico imenso. A iniciativa reúne quase 200 membros de 18 países e é guiada pelo professor Jan Harms, do Instituto de Ciências do Gran Sasso.

Em parceria com a Nasa, a ESA planeja fazer um pouso tripulado na Lua em 2025, na missão Artemis 3, para depois estabelecer uma presença humana de longo prazo no satélite natural. (ANSA)

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use