UE pressiona 'big techs' sobre riscos eleitorais do uso de IA

Bloco pediu informações sobre prevenção às plataformas digitais

Presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen (foto: ANSA)
Presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen (foto: ANSA)

(ANSA) - O Poder Executivo da União Europeia enviou pedidos de informações para as plataformas digitais Bing, Google Search, Facebook, Instagram, Snapchat, TikTok, YouTube e X (antigo Twitter), no âmbito da Lei de Serviços Digitais (DSA), sobre medidas em relação à inteligência artificial.

A Comissão Europeia questiona sobre propostas para mitigar riscos relacionados à IA generativa, incluindo a disseminação de deepfakes e manipulações que possam enganar os eleitores. O bloco tem eleições previstas para junho.

Sob a mesma lei, o Executivo também solicitou informações ao LinkedIn sobre publicidade potencialmente direcionada com base em dados sensíveis.

Informações e documentos internos foram solicitados às outras oito “big techs” sobre avaliações de riscos e medidas contra o mau uso da tecnologia em processos eleitorais, disseminação de conteúdo ilegal, proteção de direitos, violência de gênero, proteção de menores, saúde mental, proteção de dados, proteção do consumidor e propriedade intelectual.

As perguntas abrangem tanto a disseminação quanto a criação de conteúdos de inteligência artificial generativa.

As empresas devem fornecer à Comissão as informações solicitadas até 5 de abril para questões relacionadas à proteção das eleições, e até 26 de abril de 2024 para as demais questões.


    (ANSA).