/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Mercúrio e enxofre provocaram manchas em documento de Da Vinci

Codex Atlanticus, de 1478, passou por estudo científico

ROMA, 18 abril 2023, 17:39

Redação ANSA

ANSACheck

Codex Atlanticus passou por restauração entre 1962 e 1972 (Foto: WikimediaCommons)

(ANSA) - Um estudo do Politécnico de Milão descobriu que mercúrio e enxofre provocaram algumas manchas no Codex Atlanticus, publicado pela primeira vez em 1478 por Leonardo da Vinci (1452-1519).

O Codex Atlanticus, doado para a Veneranda Biblioteca Ambrosiana de Milão em 1637, foi objeto de uma restauração feita pelo Laboratório do Livro Antigo da Abadia de Grottaferrata entre 1962 e 1972.

A intervenção, realizada nos 12 volumes que contêm 1.119 folhas, ainda adicionou um paspatur para emoldurar os fragmentos. Exatamente nesses pontos, em cerca de 210 páginas, começaram a ser notadas pequenas manchas a partir de 2006. Desde então, começaram os estudos para entender o que estava acontecendo, mas descartou-se a possibilidade de ser uma deterioração microbiológica.

O mistério começou a ser resolvido em 2021 por meio do trabalho de pesquisadores liderados por Lucia Toniolo. Eles fizeram uma espécie de "projeto-piloto" com a página 843. Ali, as análises apontaram a presença de nanopartículas não orgânicas, compostas por mercúrio e enxofre, entre as fibras de celulose do papel do paspatur.

Segundo os especialistas, que publicaram o estudo na revista "Scientific Reports", a presença de mercúrio pode estar associada a junção de um sal antivegetativo no interior da mistura da cola usada no restauro de Grottaferrata. O produto foi usado para evitar ações microbiológicas.

Já o enxofre está ligado à poluição atmosférica da cidade de Milão ou a aditivos usados na mesma cola que, com o tempo, teriam provocado uma reação com os sais de mercúrio e assim ajudaram no surgimento das partículas responsáveis pelas manchas pretas.
   

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use