/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Morre aos 89 anos a icônica produtora de cinema Marina Cicogna

Ela foi a 1ª mulher a se destacar no setor na Itália

ROMA, 04 novembro 2023, 12:15

Redação ANSA

ANSACheck

Marina Cicogna, ícone do cinema italiano - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

(ANSA) - A renomada produtora cinematográfica italiana Marina Cicogna morreu 89 anos.

Ela foi a primeira mulher a se destacar no ambiente predominantemente masculino da indústria cinematográfica no país.

Marina produziu alguns dos mais importantes filmes italianos, incluindo "Metti, una sera a cena" de Giuseppe Patroni Griffi, e "Indagine su un cittadino al di sopra di ogni sospetto", de Elio Petri, que ganhou o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro em 1971.

Sua notável carreira foi documentada no filme "Marina Cicogna. La vita e tutto il resto", de Andrea Bettinetti em 2021, e ela também lançou sua autobiografia "Ancora spero" no mesmo ano pela editora Marsilio.

Marina Cicogna nasceu em Roma em 29 de maio de 1934, filha do conde Cesare Cicogna Mozzoni e da condessa Annamaria Volpi di Misurata.

Ela era neta do conde Giuseppe Volpi di Misurata, veneziano, que fundou a Mostra do Cinema de Veneza em 1932.

Após se formar em Artes no Sarah Lawrence College em Nova York, ela sempre teve uma grande paixão pelo cinema.

A Euro International Films, que pertencia à sua família, a encarregou de selecionar filmes para distribuição na Itália.

Após os grandes sucessos de "L'uomo del banco dei pegni" de Sidney Lumet e "Bella di giorno" de Luis Buñuel, ela decidiu produzir seu primeiro filme, "Metti, una sera a cena".

Sua lista de filmes de sucesso é extensa, incluindo "Teorema" e "Medea" de Pasolini, "La classe operaia va in paradiso" e "Uomini contro" de Rosi, "Mimì metallurgico ferito nell'onore" e "Film d'amore e d'anarchia" de Lina Wertmuller, "Fratello sole, sorella luna" de Zeffirelli e "C'era una volta il West" de Sergio Leone.

Após o suicídio de seu irmão Bino, no Rio de Janeiro, e a crise financeira da Euro International Films, ela passou um curto período na Paramount (que rejeitou os filmes "Ultimo tango a Parigi" de Bernardo Bertolucci e "Il portiere di notte" de Liliana Cavani) antes de se mudar para os Estados Unidos.

Ela teve relacionamentos amorosos com homens e mulheres, incluindo Alain Delon e Warren Beatty, e foi companheira da atriz Florinda Bolkan por mais de vinte anos.

A organização da Bienal de Veneza expressou suas condolências à família e lembraram com carinho e emoção Marina Cicogna.

"Um exemplo de criatividade e coragem, ao longo de uma longa carreira inteiramente dedicada ao cinema com um espírito anticonformista", lembrou a Bienal, em nota.
   

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use