Participação de John Travolta em Sanremo vira motivo de polêmica

John Travolta faz 'Baile dos Passarinhos' diante do Teatro Ariston (foto: ANSA)
John Travolta faz 'Baile dos Passarinhos' diante do Teatro Ariston (foto: ANSA)

(ANSA) - A participação do astro de Hollywood John Travolta no Festival de Sanremo, principal concurso musical da Itália, se tornou alvo de críticas no país devido ao constrangimento de fazê-lo dançar uma versão local do "Baile dos Passarinhos" e por uma suposta publicidade oculta.

O astro de "Grease" e "Os embalos de sábado à noite" era um dos convidados mais aguardados da edição de 2024 do evento, mas sua participação ficou marcada por um momento inusitado - para muitos, constrangedor.

Os apresentadores Amadeus e Rosario Fiorello ensinaram Travolta a fazer a dança infantil "Il ballo del qua qua", que no Brasil se tornou o "Baile dos Passarinhos" pelas mãos de Gugu Liberato.

O ator acompanhou Amadeus e Fiorello na dança, mas não conseguiu esconder o embaraço. "Foi uma das brincadeiras mais aterrorizantes da história da TV", brincou Fiorello, alvo de uma chuva de críticas nas redes sociais por não aproveitar melhor a presença de uma estrela de Hollywood.

No entanto, Amadeus, também diretor artístico do Festival de Sanremo, negou os rumores de que Travolta teria recebido 400 mil euros (R$ 2,1 milhões) para ir ao evento e garantiu que o ator não foi pego de surpresa pelo "Baile dos Passarinhos".

"Ele não recebeu 400 mil euros para vir aqui fazer aquela cagada. Ele sabia da brincadeira, se depois se arrependeu no último momento não é minha culpa", declarou Amadeus, acrescentando que "está sendo criado um caso onde não existe".

"Está tudo caminhando bem, então precisam encontrar essas bobagens para polemizar", disse.

No entanto, a controvérsia foi além da dança infantil, com a suspeita de uma publicidade oculta pelo fato de as câmeras focalizarem os tênis de Travolta, da marca italiana U-Power, enquanto ele estava no palco do Teatro Ariston. Além disso, Amadeus citou a expressão "dont't worry, be happy" ("não se preocupe, seja feliz"), slogan da empresa de vestuário.

"Eu peguei da música, não tinha a menor ideia disso", garantiu o apresentador. Ainda assim, a Codacons, entidade de defesa do consumidor bastante atuante na Itália, apresentou uma denúncia às autoridades de comunicações e antitruste do país por "publicidade oculta em prejuízo dos telespectadores".

Já a vice-diretora de Prime Time da Rai, organizadora de Sanremo, Federica Lentini, disse que Travolta chegou no camarim "de última hora" e que "ninguém notou o tênis", mas admitiu que foi um "erro" não cobrir a marca do calçado. O ator ainda não se pronunciou sobre as polêmicas. (ANSA)