/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

UE retifica crítica à Lei Orçamentária da Itália para 2024

Comissão Europeia culpou 'erro de tradução' pelo ocorrido

BRUXELAS, 20 janeiro 2024, 14:41

Redação ANSA

ANSACheck

O vice-presidente da Comissão Europeia, Valdis Dombrovskis © ANSA/EPA

(ANSA) - O poder Executivo da União Europeia retificou uma crítica à Lei Orçamentária da Itália para 2024 e culpou um "erro de tradução" pelo ocorrido.

Na última sexta-feira (19), o vice-presidente da Comissão Europeia, Valdis Dombrovskis, disse à emissora italiana Sky TG24, à margem do Fórum Econômico de Davos, que o projeto apresentado pelo governo de Giorgia Meloni "não estava em linha" com as recomendações de Bruxelas.

No entanto, um porta-voz da Comissão Europeia disse mais tarde que se tratava de um "erro de tradução" na resposta de Dombrovskis a uma pergunta dos jornalistas sobre a Lei Orçamentária.

"O tema não foi levantado de maneira proativa pelo vice-presidente", disse o porta-voz.

Segundo a Comissão Europeia, sua posição permanece inalterada, afirmando que a Lei Orçamentária da Itália "não está plenamente em linha com as recomendações" e que Roma precisa estar "pronta a adotar as medidas necessárias" - a diferença seria a palavra "plenamente".

O texto aprovado pelo Parlamento em dezembro prevê 24 bilhões de euros em novos gastos para bancar promessas de campanha de Meloni, sendo que 16 bilhões de euros serão financiados em déficit.

Entre as principais medidas está a desoneração do imposto de renda para pessoas físicas com ganhos entre 15 mil e 28 mil euros por ano, que pagarão uma alíquota de 23%, contra os atuais 25%.

A Lei Orçamentária também prevê uma redução de sete pontos percentuais nos impostos sobre a folha de pagamento de trabalhadores que ganham até 25 mil euros por ano e de seis pontos para aqueles que recebem até 35 mil.

O projeto ainda inclui o reajuste das aposentadorias para compensar a disparada da inflação e benefícios fiscais para mães com pelo menos dois filhos, incluindo creche gratuita para o segundo, iniciativa que é parte dos planos de Meloni para tentar reverter a tendência de queda da natalidade na Itália. (ANSA)

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use