Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Itália investiga número de seguidores de Chiara Ferragni

Crise no império da megainfluenciadora parece não ter fim

MILÃO, 23 fevereiro 2024, 13:37

Redação ANSA

ANSACheck

Chiara Ferragni é investigada por fraude agravada na Itália - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

(ANSA) - A crise no império da megainfluenciadora digital italiana Chiara Ferragni parece não ter fim.

Em meio aos rumores sobre um possível divórcio do rapper Fedez, as investigações por fraude agravada em campanhas beneficentes se estenderam para os números da influenciadora no Instagram, onde ela ostenta quase 30 milhões de seguidores.

Investigadores farão análises para verificar se há perfis falsos entre os fãs de Ferragni e se a influenciadora comprou pacotes de seguidores para turbinar suas estatísticas na rede social.

Trata-se apenas de uma hipótese neste momento, mas, caso fique comprovada, o inquérito pode se voltar para as relações contratuais entre a italiana e as marcas que a patrocinam.

Os investigadores também querem avaliar a relevância do número de 30 milhões de seguidores para os consumidores que compraram produtos envolvidos em suposta falsa beneficência.

O escândalo começou após Ferragni, influencer mais famosa do país, ter sido multada em 1 milhão de euros (R$ 5,4 milhões) por prática comercial desleal na promoção de um pandoro (doce natalino típico da Itália) com edição limitada que carregava sua marca.

A propaganda do produto fazia o público acreditar que o dinheiro obtido com as vendas seria revertido para um hospital de Turim, mas, na verdade, a Balocco, fabricante do doce, já havia feito uma doação de 50 mil euros (R$ 270 mil) antes mesmo de a campanha começar, valor muito menor do que o arrecadado posteriormente.

Estima-se que as empresas de Ferragni tenham faturado 1 milhão de euros com o pandoro, cifra que a influenciadora doou ao Hospital Regina Margherita, em Turim, após a repercussão negativa do caso.

No entanto, mais tarde veio à tona que Ferragni também está sob investigação por práticas semelhantes em ações beneficentes a partir das vendas de ovos de Páscoa, biscoitos e bonecas. (ANSA)

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use

Último momento

404 Not Found

404 Not Found


nginx