/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

'Já corrigiu o tiro', diz fonte da UE sobre declarações de Lula

Presidente provocou polêmica ao falar sobre guerra na Ucrânia

BRUXELAS, 20 abril 2023, 19:34

Redação ANSA

ANSACheck

Lula deu declarações controversas sobre guerra na Ucrânia © ANSA/EPA

(ANSA) - Um funcionário de alto escalão da União Europeia minimizou nesta quinta-feira (20) as recentes declarações do presidente Luiz Inácio Lula da Silva sobre a guerra na Ucrânia e afirmou que o petista já se corrigiu.

Em visita recente à China, Lula cobrou que os Estados Unidos e a UE começassem a "falar em paz" e disse que a "decisão da guerra foi tomada por dois países", em referência à Rússia, mas também à Ucrânia.

Criticado no Ocidente, o presidente depois amenizou o tom e afirmou que seu governo "condena a violação da integridade territorial da Ucrânia".

"Lula é um político inteligente, está buscando espaços e quer se posicionar no cenário global", disse o funcionário da UE, acrescentando que o próprio presidente brasileiro "já corrigiu parcialmente o tiro".

A fonte também destacou que a América Latina e o Caribe sempre "votaram com o Ocidente na ONU, incluindo o Brasil". Em meados de julho, países da UE e da Comunidade dos Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac) se reunirão em Bruxelas, na Bélgica, e a expectativa é por uma declaração final "muito clara sobre o respeito ao Estado de direito". (ANSA)

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use