Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Júri de honra sobre ataque de Meloni a ex-premiê é dissolvido

Giuseppe Conte e oposição acusaram comissão de parcialidade

ROMA, 08 fevereiro 2024, 13:18

Redação ANSA

ANSACheck

Giuseppe Conte pediu dissolução do colegiado - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

(ANSA) - O presidente da Câmara da Itália, Lorenzo Fontana, decidiu nesta quinta-feira (8) dissolver o “júri de honra” que avaliava supostas ofensas cometidas pela primeira-ministra, Giorgia Meloni, contra o ex-primeiro-ministro Giuseppe Conte.

O pedido foi feito pelo próprio ex-premiê e líder do partido antissistema Movimento 5 Estrelas (M5S), que afirmou que faltavam “critérios de imparcialidade que deveriam inspirar os trabalhos”.

A análise já estava em fase de conclusão, depois que tanto Conte quanto Meloni apresentaram documentos e prestaram depoimento.

O processo começou após declarações da premiê durante um discurso na própria Câmara: Conte disse que Meloni proferiu "mentiras difamatórias" ao acusá-lo de ter aprovado a reforma do Mecanismo Europeu de Estabilidade (ESM), instrumento da União Europeia para ajudar países em crise na zona do euro, "contra o parecer do Parlamento" e "sem dizê-lo aos italianos".

O júri é acionado por um deputado quando ele alega ter sido acusado de fatos que mancham sua honra e serve para esclarecer controvérsias entre parlamentares.

A crise começou a partir da elaboração do relatório final, feito pelo deputado Giorgio Mulè, vice-presidente da Câmara, presidente do júri de honra e integrante do partido Força Itália (FI), da base do governo.

Após a leitura, os integrantes de oposição do júri, Stefano Vaccari (Pd) e Filiberto Zaratti (Avs), decidiram deixar a comissão.

“O júri deveria ter um perfil terceiro. No relatório prevaleceram motivações, ainda que significativas, de ordem política, e interpretações que contrastam com a realidade dos fatos apurados e tornam evidente a vontade da maioria de apreciar a versão acusatória de Meloni”, escreveu Vaccari.

Segundo ele, o grupo “não pôde destacar que o comportamento da premiê foi contrário ao rigor e ao senso de responsabilidade, nos quais deve se inspirar o debate parlamentar ainda que diante dos embates mais acalorados”.

Em resposta, Mulè se disse “surpreso e amargurado” e disse que os oposicionistas nunca manifestaram nenhuma questão ou reclamação durante os trabalhos.

 
   

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use

Último momento

404 Not Found

404 Not Found


nginx