Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Itália se prepara para presidir 1ª reunião do G7, com foco em Kiev

Objetivo é rebater tese russa de 'Ocidente cansado' no conflito

ROMA, 20 fevereiro 2024, 17:01

Redação ANSA

ANSACheck

Meloni presidirá G7 por videoconferência - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

Um endurecimento das sanções contra a Rússia: é nessa direção que vai o G7, que se reunirá no sábado (24) pela primeira vez sob a presidência italiana, no segundo aniversário da guerra na Ucrânia.

Também se discutirá sobre as crises no Oriente Médio e no Mar Vermelho, mas Kiev é o foco na agenda.

E, como há um ano, na reunião por videoconferência, o presidente Volodymyr Zelensky se conectará para uma intervenção antes da conversa entre Giorgia Meloni, os líderes dos outros seis Estados e os do Poder Executivo e do Conselho da UE.

Uma discussão que, explicam fontes diplomáticas, também abordará a morte de Alexei Navalny e sua "interpretação", e se encerrará com uma declaração conjunta destinada a combater a "falsa narrativa do Ocidente cansado” sobre os efeitos do conflito.

Para a primeira-ministra, garantem os seguidores de Giorgia Meloni, é condenável a morte na prisão de um homem culpado apenas de se opor ao regime de Vladimir Putin e pedir liberdade e democracia. Enquanto cresce a polêmica sobre as declarações do vice-premiê Matteo Salvini, de que os médicos e juízes esclarecerão o fim do opositor russo.

A linha do governo, explicam, é expressa pelo ministro das Relações Exteriores Antonio Tajani, segundo o qual se aquela morte "não foi diretamente provocada, foi de forma indireta".

O que vem de Moscou é então descartado como propaganda, incluindo as palavras doces de Vladimir Putin sobre a Itália. Até porque, em geral, observam fontes diplomáticas, qualquer regime que elimine fisicamente um opositor mostra um sinal de fraqueza.

E nesta situação, também coloca uma questão de segurança o assassinato na Espanha do piloto russo Maksim Kuzminov, que desertou para a Ucrânia no verão passado.

Para as principais chancelarias europeias, é hora de enviar um forte sinal de apoio a Volodymyr Zelensky, até mesmo com viagens a Kiev, mantidas em segredo até o último momento, sendo um palco de guerra.

Em Roma, está sendo definido o acordo com a Ucrânia sobre garantias de segurança, alinhado com os assinados pela França e Alemanha.

Enquanto isso, Meloni se prepara para presidir sua primeira cúpula do G7, que tem como objetivo "colocar os pontos nos is", enquanto a ofensiva russa avança em direção a Zaporizhzhia.

O apoio a Kiev, inclusive militar, será garantido "enquanto necessário", com a UE acabando de estabelecer um compromisso de pelo menos 21 bilhões em 2024 e Joe Biden comprometido em convencer o Congresso dos EUA a aprovar um pacote ainda mais substancial.

Paralelamente, o G7 visa prejudicar Moscou através do que é conhecido no jargão diplomático como o “poder da bolsa”.

Será discutido um endurecimento do sistema de sanções, principalmente para tentar fechar os canais de financiamento de entrada para a Rússia e os fluxos de fornecimento de energia de saída para terceiros países.

Crucial é o tráfego de petróleo russo através de uma frota sombra de petroleiros, a ser combatido - destacam fontes diplomáticas - sancionando as entidades financeiras e bancárias dos países que contribuem para esse comércio.

Paralelamente, continua a reflexão, ainda em fase preliminar, sobre a possibilidade de usar fundos soberanos já confiscados pelo Banco Central russo depositados em alguns países, uma dinâmica que encontra obstáculos jurídicos e financeiros.

Na mesa da cúpula também está a crise no Oriente Médio. Três prioridades: a libertação de reféns, um cessar-fogo e o pós-Gaza.


   

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use

Último momento

404 Not Found

404 Not Found


nginx