Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Rússia insere irmão de Navalny em lista de procurados

O teor da suspeita contra Oleg ainda é desconhecido

MOSCOU, 20 fevereiro 2024, 17:42

Redação ANSA

ANSACheck

Navalny: fiaccolata a Roma - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

(ANSA) - A Rússia colocou o irmão do ativista de oposição Alexei Navalny, Oleg Navalny, em uma lista de procurados pela Justiça.

A notícia, divulgada pela agência estatal Tass, chega quatro dias após o anúncio da morte de Navalny, vítima de um suposto mal súbito em uma colônia penal no Círculo Polar Ártico.

A Tass afirma que o nome de Oleg Navalny foi colocado em uma lista de procurados na base de dados do Ministério do Interior devido a um novo processo criminal contra ele. A agência, no entanto, diz que ainda não se sabe o teor da suspeita contra o irmão do ativista.

Pouco antes, o Kremlin rejeitou o pedido feito pela União Europeia de uma investigação internacional sobre a morte de Navalny, principal opositor do presidente Vladimir Putin ao longo da última década.

O corpo do dissidente não foi restituído à família, que fez um apelo direto ao mandatário para reaver os restos mortais.

"Dirijo-me a você, Vladimir Putin, a solução do problema depende apenas de você. Deixe-me ver meu filho, peço que o corpo de Alexei seja imediatamente entregue para que eu possa sepultá-lo humanamente", afirmou a mãe do ativista, Lyudmila Navalnaya, em um vídeo gravado diante da colônia penal IK-3, na Sibéria.

Já o vice-premiê e ministro das Relações Exteriores da Itália, Antonio Tajani, destacou que ainda é preciso "apurar os fatos", mas ressaltou que Navalny "foi feito morrer".

"É possível provocar a morte de uma pessoa com uma detenção incompatível com a vida, e isso aconteceu. Se não foi provocada diretamente, a morte de Navalny foi causada de maneira indireta", salientou.

Mais tarde, Tajani afirmou que a mulher de Alexei Navalny, Yulia Navalnaya, pediu que os países europeus mantivessem as sanções contra a Rússia.

“A Rússia sente muito o peso das sanções econômicas. Ela pediu que seguíssemos em frente”, disse.

“Queremos saber o que está acontecendo na questão Navalny, o que aconteceu, se há responsáveis e quando o corpo será devolvido à família. Amanhã ouviremos o embaixador de Moscou para dar um sinal de que não se pode sufocar a liberdade e a democracia”, disse, ao jornal televisivo TG2 Post.

Convocações

O diretor-geral do Serviço de Ação Externa da União Europeia para a Europa Oriental, Rússia e Ásia Central, Michael Siebert, convocou em Bruxelas o encarregado de negócios da Missão da Federação Russa junto ao bloco, Kirill Logvinov.

A UE expressou sua indignação com a morte do político de oposição russo Alexei Navalny, cuja responsabilidade final, para o bloco, recai sobre o presidente Vladimir Putin e as autoridades russas.

O diretor-geral pediu que a Rússia permita uma investigação internacional independente e transparente sobre as circunstâncias da morte repentina de Alexei Navalny e que o país libere o corpo para a família sem mais atrasos, permitindo que seja organizado um funeral.

Siebert reiterou ainda que a Rússia deve libertar imediata e incondicionalmente todos os outros prisioneiros políticos, bem como todas as pessoas detidas por prestar homenagem a Alexei Navalny.

A Itália também convocou o embaixador russo no país, Alexei Paramonov, para tratar do assunto. A informação foi dada à ANSA por fontes próximas.

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use

Último momento

404 Not Found

404 Not Found


nginx