/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

MP italiano investiga feminicídio de idosa de 71 anos

Marido dela, pastor de 73 anos, foi preso suspeito do crime

ROMA, 04 janeiro 2024, 16:20

Redação ANSA

ANSACheck

Pastor foi preso por feminicídio (Foto: ANSA) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

(ANSA) - A polícia italiana decidiu manter a prisão do pastor de 73 anos Giulio Camilli, suspeito de ter matado a mulher, Rosa D’Ascenzo, de 71 anos, no Ano Novo.

O crime ocorreu em Sant’Oreste, na província de Roma. Durante a tomada de depoimento, o idoso decidiu ficar calado.

Na noite do dia 1º, Rosa chegou sem vida ao pronto socorro de Civita Castellana, em Viterbo, levada de carro pelo próprio marido.

O homem relatou que ela teria caído acidentalmente das escadas de casa após um mal súbito.

Os ferimentos encontrados, porém, não eram compatíveis, e o médico de plantão acionou a polícia.

Segundo o Ministério Público, o corpo tinha hematomas nas mãos, braços, pernas e tronco, e até sinais que poderiam ser de mordidas.

Na casa do casal, os investigadores encontraram sinais de sangue na porta de entrada, em um tubo metálico na cozinha, na geladeira e em uma panela que estava no corredor.

No pedido de prisão cautelar, o MP descreveu o pastor como um homem “autoritário e, por vezes, violento, que vivia em uma condição de total isolamento do resto do mundo, constantemente brigando com a mulher, que proibia de sair de casa”.

Não foram encontrados registros de denúncias da mulher contra o marido, mas os promotores destacam que “apesar de mantida a presunção de inocência, está delineado um caso grave de violência doméstica até a morte”.

 
   

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use