Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Messina Denaro não foi reconhecido em blitz policial há 7 anos

Promotor disse que documentos do mafioso pareciam 'em ordem'

PALERMO, 26 janeiro 2024, 14:19

Redação ANSA

ANSACheck

Criminoso foi parado na província de Trapani, mas não acabou sendo preso pelos oficiais - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

(ANSA) - O ex-líder mafioso Matteo Messina Denaro, histórico chefe da Cosa Nostra que passou quase três décadas foragido, foi parado em uma blitz há sete anos, mas não foi reconhecido pelos policiais que verificaram sua identidade.

De acordo com o promotor Maurizio De Lucia, o criminoso foi parado na província de Trapani, mas não acabou sendo preso pelos oficiais, pois "tudo parecia em ordem" com sua documentação.

"Messina Denaro sabia que a polícia tinha fotos dele de anos atrás, mas também teve pessoas que o alertou sobre os avanços das investigações. Devemos nos perguntar como é possível que ele tenha passado 30 anos escondido", disse De Lucia.

"A doença não alterou os hábitos dele, mas o nosso compromisso atual é identificar aqueles que favoreceram Messina Denaro", acrescentou.

O promotor, um dos responsáveis pela investigação que capturou o mafioso italiano, destacou que a Cosa Nostra sofreu um "grande golpe" com a detenção e a morte de Denaro. De Lucia, no entanto, alertou que, embora "enfraquecida", a organização criminosa "tenta sempre se reorganizar para voltar a enriquecer".

Denaro foi preso há pouco mais de um ano ao sair de uma clínica onde estava tratando um câncer. Ele faleceu meses depois em um hospital em L'Aquila, aos 62 anos.

O antigo chefão foi condenado por seu envolvimento em dezenas de assassinatos, incluindo os atentados à bomba que mataram os magistrados antimáfia Giovanni Falcone e Paolo Borsellino.
   

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use

Último momento

404 Not Found

404 Not Found


nginx