/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Itália suspende repasses a agência da ONU acusada de ligação com Hamas

Unrwa demitiu funcionários que teriam envolvimento com ataque

ROMA, 27 janeiro 2024, 10:58

Redação ANSA

ANSACheck

The damaged UNRWA school building in Gaza City © ANSA/EPA

(ANSA) - Diversos países decidiram suspender seus financiamentos à Agência das Nações Unidas para Refugiados Palestinos (Unrwa, em inglês), após a instituição ter anunciado nesta sexta-feira (26) que demitiu "vários funcionários" acusados de estarem envolvidos no ataque deflagrado pelo grupo fundamentalista islâmico Hamas contra Israel no dia 7 de outubro. 

Neste sábado (27), o vice-premiê e ministro das Relações Exteriores da Itália, Antonio Tajani, afirmou que o país suspendeu a ajuda e enfatizou o compromisso com a assistência humanitária ao povo palestino, ao mesmo tempo protegendo a segurança de Israel.

Após um primeiro anúncio dos Estados Unidos, o Canadá também ordenou uma “pausa temporária nos repasses”, assim como a Austrália.

O chanceler israelense, Israel Katz, agradeceu aos países pela decisão e pediu à ONU que “tome ações imediatas contra a liderança da Unrwa”.

“A Unrwa deve pagar um preço por suas ações. A Unrwa não é a solução. Israel garantirá que a agência não faça parte do pós-guerra em Gaza", afirmou Katz, acrescentando que trabalhará para obter apoio dos EUA, da União Europeia e de outras nações para interromper as atividades.

Já o Hamas, em canais do Telegram, pediu à ONU e a instituições internacionais que “não cedam às ameaças e chantagens de Israel”, destacando a importância do papel da agência no fornecimento de ajuda ao povo palestino e na documentação de crimes de guerra contra os palestinos.


   

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use