/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Otan na Ucrânia significaria 3ª guerra mundial, alerta Itália

Ministro descartou hipótese de enviar militares a Kiev

ROMA, 15 março 2024, 13:12

Redação ANSA

ANSACheck

Tanque italiano participa de treinamento da Otan na Lituânia, em 29 de março de 2023 © ANSA/EPA

(ANSA) - O vice-premiê e ministro das Relações Exteriores da Itália, Antonio Tajani, disse nesta sexta-feira (15) que o eventual envio de tropas da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) para a Ucrânia significaria o início de uma "terceira guerra mundial".

A declaração chega na esteira da polêmica provocada pelo presidente da França, Emmanuel Macron, que afirmou estar disposto a deslocar contingentes militares para o território ucraniano no âmbito da guerra contra a Rússia.

"Acredito que a Otan não deva entrar na Ucrânia e espero que isso não aconteça. Fazer guerra contra a Rússia significa correr o risco de uma terceira guerra mundial", destacou Tajani à imprensa local.

"Defendemos o direito internacional e a liberdade da Ucrânia, mas não vamos à guerra contra a Rússia. Estamos dando a Kiev instrumentos militares, econômicos e técnicos de todo tipo, mas guerrear me parece um erro, e nenhum italiano quer isso", acrescentou.

As declarações de Macron não encontraram apoio entre os membros da Otan, e o próprio presidente francês insinuou um recuo nesta sexta-feira, ao dizer que não é a favor de "tomar a iniciativa de uma escalada" na Ucrânia. (ANSA)   

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use