Papa rebate críticas contra bênção a homoafetivos: 'Hipocrisia'

Francisco voltou a defender abertura para casais do mesmo sexo

Papa Francisco durante audiência geral no Vaticano (foto: ANSA)
Papa Francisco durante audiência geral no Vaticano (foto: ANSA)

(ANSA) - O papa Francisco chamou de "hipócritas" aqueles que se escandalizaram com a autorização do Vaticano para padres e bispos abençoarem casais homoafetivos.

Em entrevista à revista católica italiana Credere, o pontífice disse que "ninguém se escandaliza" se ele abençoar "um empresário que talvez explore as pessoas", embora isso seja "um pecado gravíssimo".

"Mas se escandalizam se a dou [a bênção] a um homossexual. Isso é hipocrisia", acrescentou o Papa, ressaltando que o "coração" do documento sobre casais homoafetivos é o "acolhimento".

Francisco defende que a Igreja Católica não deve fechar as portas para ninguém e precisa receber de braços abertos aqueles que procuram o "caminho de Deus", porém a autorização para bênçãos a homossexuais, divulgada em dezembro passado, chacoalhou o clero e provocou duras críticas de alas ultraconservadoras.

O arcebispo italiano Carlo Maria Viganò chegou a acusar o pontífice de ser um "usurpador" e "servo de Satanás", enquanto outros ignoraram a nova diretriz e proibiram padres de abençoarem casais homoafetivos em suas arquidioceses, como a de Nairóbi, no Quênia.

Recentemente, o Papa explicou que sua intenção é "mostrar concretamente a proximidade da Igreja a todos aqueles que, encontrando-se em diversas situações, pedem ajuda para percorrer um caminho de fé".

No entanto, o líder católico deixou claro que a bênção é para as pessoas, e não para a união. Além disso, essa prática não pode ter caráter ritualístico nem ser confundida com o sacramento do matrimônio. (ANSA)