Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Padres espanhóis rezam para Papa 'ir ao céu o quanto antes'

Declarações em encontro virtual provocaram polêmica na web

MADRID, 29 fevereiro 2024, 14:12

Redação ANSA

ANSACheck

Il Papa, 'sono ancora un po ' raffreddato ' - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

(ANSA) - Um grupo de padres espanhóis protagonizou uma polêmica nas redes sociais nos últimos dias após os religiosos afirmarem que rezam para que o papa Francisco "possa ir para o céu o mais rápido possível".

As declarações foram feitas no dia 22 de fevereiro durante uma conversa online no YouTube, batizado de "Sacristía de la Vendée.

Um encontro sacerdotal contrarrevolucionário", comandado por Francisco José Delgado Martín, sacerdote diocesano de Toledo.

Durante as apresentações, o religioso Gabriel Calvo Zarraute, padre da diocese de Toledo, afirmou que também "reza muito pelo Papa, para que ele possa ir para o céu o mais rápido possível".

Após o comentário, o sacerdote norte-americano Charles Murr acrescentou: "Também me uno às orações do padre Gabriel pelo Santo Padre". Na sequência, Calvo Zarraute responde: "Somos muitos de nós com essa intenção".

O moderador, por sua vez, diz que é preciso "ver se conseguimos rezar mais".

As declarações foram duramente criticadas nas redes sociais e fizeram os próprios religiosos se manifestarem, reconhecendo que os comentários são de "mau gosto" e "não expressam desejos de morte do Papa".

Logo depois, o arcebispo de Toledo emitiu um comunicado oficial no qual afirma "não ser absolutamente responsável pelas declarações expressas naquele canal do YouTube", manifestando "o seu repúdio a qualquer manifestação de descontentamento para com a pessoa e o ministério do Santo Padre".

A nota acrescenta ainda que "não estão excluídas outras medidas corretivas" para "aqueles que são chamados a ser ministros de Cristo".
   

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use

Último momento

404 Not Found

404 Not Found


nginx