Cidade italiana faz cannolo mais longo do mundo com 21 metros

Conquista foi anunciada pelo 'Guinness World Records'

Os cannoli são uma das sobremesas mais famosas da Itália (foto: ANSA)
Os cannoli são uma das sobremesas mais famosas da Itália (foto: ANSA)

(ANSA) - A região da Sicília, no sul da Itália, criou o cannolo mais longo do mundo, com 21 metros e 43 centímetros de comprimento, informou o "Guinness World Records", oficializando a marca alcançada em 11 de setembro de 2022.

O anúncio foi feito nesta segunda-feira (29) pelos organizadores da iniciativa, o mestre confeiteiro Lillo Defraia e o ex-presidente do Ristoworld Itália, Marcello Proietto di Silvestro.

"Com uma nota datada de 22 de janeiro, o 'Guinness World Records' comunicou oficialmente a validação e o registro do recorde que nos enche de alegria e recompensas ao longo de quatro anos de trabalho coletivo", afirmaram.

Ao todo, cerca de 100 chefs e confeiteiros de toda a Itália, coordenados por Defraia, se reuniram na cidade de Caltanissetta para reproduzir uma versão gigantesca do icônico doce siciliano.

O cannolo mais longo do mundo foi produzido com o patrocínio do Departamento de Turismo, Esportes e Entretenimento da região da Sicília, da cidade de Caltanissetta, e de parceiros públicos e privados, além da ajuda de voluntários.

Nos próximos dias, os detalhes das etapas finais de validação da conquista serão divulgados durante coletiva de imprensa na Prefeitura de Caltanissetta, na presença do prefeito Roberto Gambino e dos representantes institucionais da área.

Cannolo (no singular) ou Cannoli (no plural) significa "pequeno tubo" e é o nome dado à sobremesa italiana de massa doce frita e que pode ser recheadacom um creme à base de queijo ricota ou mascarpone, baunilha, chocolate, pistache, frutas cristalizadas, vinho Marsala e limão siciliano.

Originários de Palermo, no sul da Sicília, os cannoli são bastante populares na cozinha italiana e costumavam ser preparados para o Carnaval. Hoje, porém, o doce pode ser encontrado durante todo o ano. (ANSA)