Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Lula critica 'neocolonialismo verde' e cobra países ricos

Presidente pediu união de países com florestas tropicais

BRASÍLIA, 09 agosto 2023, 13:54

Redação ANSA

ANSACheck

Lula durante Cúpula da Amazônia, em Belém © ANSA/EPA

(ANSA) - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) criticou nesta quarta-feira (9) o que chamou de "neocolonialismo verde" dos países desenvolvidos, durante discurso na Cúpula da Amazônia.

"Não podemos aceitar um neocolonialismo verde que, sob pretexto de proteger o meio ambiente, impõe barreiras comerciais e medidas discriminatórias e desconsidera nossos marcos normativos e políticas domésticas", disse Lula.

"O que precisamos para dar um salto de qualidade é de financiamento de longo prazo e sem condicionalidades para projetos de infraestrutura e industrialização verde", acrescentou o presidente em seu pronunciamento na cúpula, que também contou nesta quarta com representantes de França e Noruega, dos dois Congos e da Indonésia, além de São Vicente e Granadinas, presidente pro tempore de Celac.

O objetivo de Lula era reunir países com florestas tropicais para iniciar a construção de uma posição conjunta nas negociações climáticas, em especial para a COP28, que acontece entre novembro e dezembro.

"Os países das bacias da Amazônia, do Congo e de Bornéo-Mekong atuarão com determinação para preservar as três maiores florestas tropicais do mundo. Mas não se pode falar de florestas tropicais e mudança do clima sem tratar da responsabilidade histórica dos países desenvolvidos. Foram eles que, ao longo dos séculos, mais dilapidaram recursos naturais e mais poluíram o planeta", acusou o petista.

No discurso, Lula voltou a criticar os gastos militares, "que drenam recursos de que o mundo precisa para a promoção do desenvolvimento sustentável", e a cobrar os países ricos a destravar o fundo verde de US$ 100 bilhões por ano, iniciativa que nunca saiu do papel.

"E esse montante já não corresponde às necessidades atuais. A demanda por mitigação, adaptação e perdas e danos só cresce. Quem tem as maiores reservas florestais e a maior biodiversidade merece maior representatividade", afirmou.

De acordo com o presidente, os países detentores de florestas tropicais "herdaram do passado colonial um modelo econômico predatório, baseado na exploração irracional dos recursos naturais, na escravidão e na exclusão sistemática das populações locais". (ANSA)

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use

Último momento

404 Not Found

404 Not Found


nginx