/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Governo anuncia 1º hospital indígena de Roraima

Medida chega em meio a aumento de mortes na Terra Yanomami

BRASÍLIA, 23 fevereiro 2024, 12:45

Redação ANSA

ANSACheck

Terra Indígena Yanomami vice crise sanitária © ANSA/EPA

(ANSA) - O governo federal anunciou a construção do primeiro hospital indígena em Roraima, em meio ao aumento de mortes na Terra Yanomami registrado no ano passado.

A estrutura sanitária será instalada na capital Boa Vista e contará com serviços de atenção especializada de média e alta complexidade, informou a ministra dos Povos Indígenas, Sonia Guajajara.

"Saímos do estado de ações emergenciais para ações permanentes a partir da instalação da Casa de Governo em Boa Vista. Serão 13 órgãos de governo que estarão presentes ali para acompanhar e garantir a implementação das ações necessárias", explicou.

Em 2023, o Ministério da Saúde declarou estado de emergência no território Yanomami, a maior terra indígena do país. Apesar disso, foram registradas 363 mortes na reserva no ano passado, contra 343 do anterior.

Segundo a secretária de Vigilância em Saúde, Ethel Maciel, "temos a certeza de que houve subnotificações" de óbitos em 2022. "Mas agora temos o diagnóstico do que está acontecendo no território", garantiu.

Maciel também apontou subnotificação de doenças na Terra Yanomami, onde houve 29,9 mil casos de malária em 2023, frente a 11,53 mil de 2022. (ANSA)

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use