/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Cientistas italianos investigam mistério sobre buracos negros

Estudiosos buscam anel de junção ausente das estruturas

ROMA, 25 setembro 2023, 17:35

Redação ANSA

ANSACheck

Exposição em maio ofereceu imersão em buracos negros na Itália - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

(ANSA) - Está aberta a caça ao misterioso anel de junção ausente dos buracos negros, aquele que deveria ocupar uma posição intermediária entre os menores, formados pelo colapso de uma estrela, e os gigantes supermassivos que povoam os centros das galáxias.

Um avanço na resolução desse mistério foi feito por um estudo internacional liderado por Manuel Arca Sedda, do centro italiano Gran Sasso Science Institute, com a participação da Universidade de Pádua, que foi publicado na revista Monthly Notices of the Royal Astronomical Society.

A pesquisa lança nova luz sobre os mecanismos que podem levar à formação desses buracos negros, para os quais ainda falta uma prova de sua existência, e indica em quais cantos do universo procurar por uma resposta.

Embora todos tenham uma densidade tão alta que nem a luz pode escapar de sua atração gravitacional, os buracos negros não são todos iguais: os menores se formam quando uma estrela de massa suficientemente grande, pelo menos vinte vezes mais massiva que o Sol, esgota seu combustível e entra em colapso sobre si mesma, enquanto no extremo oposto estão os imensos buracos negros supermassivos, com massas milhões ou bilhões de vezes maiores que a nossa estrela.

A formação desses últimos ainda é um enigma, principalmente devido ao "vazio" deixado pelos buracos negros intermediários.

Os pesquisadores liderados por Arca Sedda decidiram preencher esse vazio. "Realizamos novos modelos de computador capazes de simular a formação desses misteriosos objetos e descobrimos que podem se formar por meio de uma combinação de três fatores: fusões entre estrelas muito maiores que o nosso Sol, o acúmulo de material em buracos negros estelares e, por fim, a fusão entre buracos negros estelares", explicou o pesquisador.

Segundo os autores do estudo, após o nascimento, os buracos negros intermediários são lançados para longe de seus próprios aglomerados, o que impede seu crescimento adicional.
   

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use