/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Estudo italiano mira combater Alzheimer com IA

Objetivo é facilitar diagnóstico e prever evolução da doença

PERUGIA, 02 janeiro 2024, 14:36

Redação ANSA

ANSACheck

Pesquisa pode usar IA em tratamento de Alzheimer - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

(ANSA) - Uma pesquisa da Universidade de Perúgia mira usar a inteligência artificial para combater o Alzheimer, construindo um modelo da doença que possa ajudar os médicos a identificar precocemente os sintomas e prever a evolução.

Financiado com 70 mil euros da Fundação Perúgia, o projeto é coordenado pelo professor Luca Gammaitoni, físico experimental da Universidade.

“O projeto tem como objetivo melhorar a capacidade do sistema sanitário de identificar os primeiros sintomas da doença e guiar os médicos em acompanhar o desenvolvimento para melhorar as condições dos pacientes, explicou à ANSA.

“A inteligência artificial como a conhecemos hoje consiste em uma série de técnicas que servem para classificar, com grande eficiência, enormes quantidades de dados. Nesse projeto, propomos analisar as informações já recolhidas, no momento da primeira consulta, de mais de mil pacientes da seção de Neurologia da Universidade de Perúgia”, prosseguiu.

Com base nessas informações, o objetivo é construir um modelo da doença.

O projeto une física e medicina: “Cada vez mais os problemas complexos requerem competências além das disciplinas tradicionais. É necessário construir grupos de pesquisa com cientistas de várias origens. Temos físicos, neurobiólogos, médicos e cientistas de computação que colaboram juntos”.
   

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use