Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Incêndio no Chile deixa 14 migrantes venezuelanos mortos

SANTIAGO DO CHILE, 07 novembro 2023, 13:44

Redação ANSA

ANSACheck

Incêndio no Chile mata ao menos oito crianças © ANSA/Foto Reprodução

(ANSA) - Ao menos 14 imigrantes venezuelanos, a maioria crianças, morreram na noite da última segunda-feira (6) em um violento incêndio deflagrado na cidade de Coronel, no sul do Chile, informaram as autoridades locais.

"São três famílias, oito menores e seis adultos que morreram no incêndio que destruiu a sua casa", declarou à agência francesa AFP Javier Valencia, vice-prefeito da cidade localizada a 530 quilômetros ao sul da capital Santiago.

De acordo com ele, "são famílias venezuelanas que vivem em condições extremamente precárias".

Até o momento, não se sabe qual a origem do incêndio, mas, segundo informações preliminares, foi causado por um fogão artesanal em uma residência. O governo chileno determinou que o caso seja investigado e se disponibilizou a providenciar qualquer ajuda necessária.

Por sua vez, o presidente do Chile, Gabriel Boric, lamentou a tragédia e reforçou que "seria bom nos perguntarmos, em nossos próprios discursos e em nossas ações, como tratamos as pessoas que morreram ontem".
   

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Ou use

Último momento

404 Not Found

404 Not Found


nginx