Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Ministro descarta pedido de desculpas de Lula a Israel

Padilha disse que fala do presidente não foi sobre judeus

BRASÍLIA, 20 fevereiro 2024, 10:29

Redação ANSA

ANSACheck

Lula comparou guerra em Gaza com Holocausto - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

(ANSA) - O ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha (PT), descartou qualquer possibilidade de pedido de desculpas por parte do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) ao governo de Israel, em meio à crise diplomática entre os dois países.

O governo do premiê Benjamin Netanyahu exigiu retratação de Lula por ter comparado os ataques contra a Faixa de Gaza com o Holocausto nazista e declarou o presidente como "persona non grata".

"Se tem uma coisa que o presidente Lula precisa pedir para o Netanyahu é o cessar-fogo, pela paz, para interromper o massacre. Outras lideranças internacionais, outros países e vários organismos do sistema ONU estão reforçando esse mesmo pedido do presidente Lula", afirmou Padilha no programa Roda Viva, da TV Cultura.

"O presidente, na própria fala dele, deixa claro o posicionamento em relação a Netanyahu e à sua postura histórica, enquanto presidente da República, de defesa de Israel, da existência do Estado de Israel, e da relação que ele sempre teve com a comunidade judaica aqui no Brasil", acrescentou o ministro.

Já a primeira-dama Rosângela "Janja" da Silva disse estar "orgulhosa" de seu marido e que ele chamou de genocida o governo de Netanyahu, não o povo judeu. (ANSA)

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use

Último momento

404 Not Found

404 Not Found


nginx