Região italiana abate urso que teria seguido pessoas

Ativistas de direitos dos animais protestaram contra decisão

Ursos se refrescam no Bioparque de Roma (foto: ANSA)
Ursos se refrescam no Bioparque de Roma (foto: ANSA)

(ANSA) - Um urso, identificado como “M90”, foi abatido nesta terça-feira (6) após uma autorização da província de Trento, na Itália.

O animal foi identificado através da observação de um colar de radiolocalização e por marcas auriculares.

A operação foi realizada por uma equipe da Guarda Florestal, em uma área montanhosa alpina de Val di Sole.

A determinação do governador, Maurizio Fugatti, seria pelo fato de o mamífero ter seguido um casal na região, no último dia 28.

Ele tinha o colar de localização desde setembro de 2023, e já haviam sido registradas 12 aproximações dele em áreas residenciais ou episódios em que seguiu pessoas.

O caso revoltou os ativistas de direitos dos animais, que afirmam que a espécie tem proteção especial a nível europeu e que a Constituição determina a proteção da biodiversidade.

Para o ministro do Meio Ambiente e Segurança Energética, Gilberto Pichetto, "a supressão não pode ser a única alternativa”: “Se o que foi feito até agora com a província de Trento não foi suficiente, o compromisso, de todos, deve ser o de multiplicar os esforços para encontrar todas as soluções possíveis para garantir uma convivência pacífica nas áreas”.

“Mobilizei novamente todas as estruturas vinculadas ao Ministério para definir uma estratégia rápida na qual o abate seja realmente a última solução", acrescentou.

A região tem sucessivas polêmicas envolvendo ursos – em diversos casos, Fugatti determinou o sacrifício dos animais, mas teve a decisão sobreposta pela Justiça.

 (ANSA).