/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Coreia do Norte deixa acordo militar com Seul e faz ameaças

PEQUIM, 23 novembro 2023, 16:42

Redação ANSA

ANSACheck

Kim Jong-un acompanhando o teste de um míssil na Coreia do Norte © ANSA/EPA

(ANSA) - A Coreia do Norte anunciou a suspensão de um acordo com a Coreia do Sul para reduzir as tensões militares, em resposta à decisão de Seul de interromper parcialmente o tratado depois que Pyongyang lançou seu satélite espião.

O Ministério da Defesa da Coreia do Norte disse, através da KCNA, que o país "nunca mais ficaria vinculado" ao acordo, cancelando-o efetivamente.

"O Sul terá de pagar caro pela sua iniciativa: Iremos mobilizar forças armadas mais poderosas e novos tipos de equipamento militar ao longo da linha de demarcação militar", afirmou.

Em nota, Pyongyang esclareceu que o regime de Kim Jong-un irá restaurar "imediatamente todas as medidas militares interrompidas de acordo com o acordo Norte-Sul" e vai retirar "aquelas adotadas para evitar tensões militares e conflitos em todas as esferas, incluindo terrestre, marítima e aérea".

"Iremos enviar forças armadas mais poderosas e equipamento militar de novo para a região ao longo da linha de demarcação militar", acrescentou.

O Ministério norte-coreano reforçou ainda que a Coreia do Sul deve "pagar caro pelas suas irresponsáveis ;;e sérias provocações políticas e militares que empurraram a situação para uma fase incontrolável".

A Coreia do Sul suspendeu parcialmente o acordo militar de 2018, depois de o Norte ter lançado na última terça-feira o satélite espião militar 'Malligyong-1', num novo tipo de foguete Chollima-1.

A medida permitiu a Seul restabelecer as operações de reconhecimento e vigilância na fronteira, com base no seu impacto na limitação das capacidades de vigilância aérea do Sul.  
   

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use